Pages Menu
Facebook
Menu

Posted on out 5, 2016 in Texto | nenhum comentário

Os Sutras de Patanjali, Capitulo 1.4

Os Sutras de Patanjali, Capitulo 1.4

वृत्तिसारूप्यमितरत्र॥४॥
Vṛttisārūpyamitaratra||4||
Em outro estado (que não seja de Yoga), existe uma identificação (daquele que vê) com as atividades (da mente)
20160831_yoga_sutras_cap1_4

A palavra vṛtti pode ser traduzida como “modificação, giro ou atividade”, sārūpyam é traduzido como, “similar ou parecido”, e itaratra como “em outro estado, de outra forma, caso contrário”.

O sutra exposto acima da uma visão clara do que ocorre, quando aquele que vê não mantem a mente em estado de Yoga, neste caso existe uma identificação com todos processos mentais. O que implica esta identificação com os “processos mentais – vṛttis“? podemos dizer que purusha (ou a consciência que observa todos fenômenos da prakrit – o mundo como conhecemos) ignora a si mesmo.

No dia a dia, aquele que vê na maior parte do tempo busca através da relação com o meio, instrumentos para felicidade, quase sempre de forma inconsciente, digo isto, pois você não procura sofrimento, nem dor, não é verdade? Você busca a felicidade, mesmo que você não saiba como é a felicidade que tanto busca, você quer ser feliz, então busca objetos, meios, que estejam em afinidade com aquilo que você tanto gosta (se observarmos, isto se constrói durante a infância até os dias de hoje) ou aquilo que você tanto quer.

E durante este processo de busca, vamos criando condicionamentos, estes se formam por hábitos que geramos em função da própria busca (cega), então a importância do contato com quem já seguiu ou esta seguindo este caminho, pois ele compreende melhor o quanto o mundo pode gerar sofrimento. Tudo depende do ponto de vista que você adota, prakrit (não é ruim e nem bom, simplesmente “É”), através de uma relação adequada com a prakrit, purusha se manifesta, do contrário purusha esta em vritt.

Vamos continuar com nosso estudo dos sutras não deixem de acompanhar as próximas postagens.

Texto originalmente publicado no blog Yoga Sadhana 108.

Post a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *